Ministério Infantil

Servindo as crianças na IBJM

"Uma geração contará à outra a grandiosidade dos teus feitos; eles anunciarão os teus atos poderosos. Proclamarão o glorioso esplendor da tua majestade, e meditarei nas maravilhas que fazes. Anunciarão o poder dos teus feitos temíveis, e eu falarei das tuas grandes obras. Comemorarão a tua imensa bondade e celebrarão a tua justiça."
Salmos 145:4-7

Esses versos capturam bem nossa VISÃO no Ministério Infantil da IBJM: Uma geração contando a outra geração a grande majestade de Deus e do Filho dele.

Nosso objetivo desde as crianças até os jovens é estabelecer uma base sólida na teologia bíblica e sistemática, a fim de fornecer uma estrutura bíblico-teológica para as crianças (e pais!) para capacitá-los a ler e aplicar todo o conselho da Palavra de Deus.

Nossa oração é que possamos nos regozijar, como Davi, para que esta geração de crianças recomende as obras de Deus para a outra e declare seus atos poderosos.

Não queremos que o ministério infantil seja simplesmente para passar um tempo com as crianças correndo e pulando. Queremos que eles sejam instruídos no evangelho. O que significa que nós escolhemos livros e músicas que mostram a grandeza de Deus e o amor dele em Cristo.

Nossa missão para o ministério infantil é simples: glorificar a Deus.

Procuramos glorificar a Deus através de 5 valores fundamentais:

1. Apoiar e encorajar os pais que são os principais responsáveis por ensinar as verdades bíblicas a seus filhos (Efésios 6:4).

2. Fazendo todo o conselho da Escritura conhecido para as crianças, com especial ênfase no Evangelho (Deuteronômio 6:6-9; Romanos 1:16-17).

3. Orando pelas crianças e confiando no Espírito Santo para regenerar seus corações através do ensino fiel de Sua Palavra (Romanos 10:17; Efésios 2:4-10).

4. Vivendo fielmente diante dos filhos e modelando para eles como os cristãos são chamados a responder a Deus, amar uns aos outros e ministrar ao mundo ao nosso redor (Mateus 5:16; 1 Coríntios 11:1).

5. Entendendo que o cuidado das crianças não é um direito, mas um privilégio; e este privilégio inclui responsabilidades diante de Deus para ministrar e cuidar das crianças.